sábado, 14 de março de 2015

As terríveis (Vanessa)

Penso que Ashley era um pouco a minha frente. Suas ideias e ações insensatas, talvez, atiradas, posso assim dizer, me davam medo e ao mesmo tempo admiração pela minha amiga. Em muito, minhas atitudes também mudaram em convivência com esta maluquinha.
Seu lema de vida era diversão mesmo e, principalmente, se estas envolvessem algum grau de risco. Por isso, me meti em algumas enrascadas com ela que valeram pelo prazer da diversão.
- Sabe o que vamos fazer hoje à noite? - perguntou.
- Dançar rumba peladas na rua com um carro de som do lado? - ironizei.
- Seria engraçado, mas não. Eu tenho convites para a gente ir a um baile lá no clube. Não me pergunte como, nem com quem consegui, é segredo. Mas você está proibida de dizer não.
- Eu não tenho roupa.
- Eu disse que estava proibida de dizer não. - repetiu. - Eu apareço aí com a solução.
Ashley tocou a campainha e Zachary foi atender. Nós nos trancamos no quarto e, em questão de vinte minutos, ela me enfiou dentro de um maravilhoso vestido e me colocou atrás de uma maquiagem perfeita.
- Agora, você está pronta para a diversão. - falou no meu ouvido e eu continuei me olhando no espelho, senti um frio na barriga.
Enquanto ela terminava de se arrumar, fui até o escritório de Zachary. Tinha que comunicar-lhe que sairia. Abri a porta com o máximo de cuidado para não fazer barulho. Ele não quis me olhar, estava emburrado com a história da máquina. Fiquei na frente da sua mesa parada em pé.
Ele, lentamente, levantou os olhos e ao me contemplar naquele look de baile, sua boca se entreabriu de admiração. Segurei o sorriso no canto da boca.
- Eu vou a uma festa com a Ashley e...
- Festa? Eu deixei?
- ... - eu fiquei sem palavras, como assim deixar?
- Você não pode sair por aí assim.
- Zachary, por favor.
Ele levantou-se e veio em minha direção. Meus olhos já estavam cheios de lágrimas.
- Por que eu não posso ir?
- Eu não disse que não pode ir.
- Bom, então, não entendi.
- Eu disse que não pode ir... sem mim.
Voltei para o quarto e bati a porta. Estava confusa, sem saber o que fazer.
- Temos um problema. O Zachary quer ir.
- Você vai levá-lo? - Ashley fez uma careta e depois mudou de expressão, mostrando que tinha sido puro fingimento sua primeira reação. - Pode deixar que pago o seu lanche por um mês.
- Você gostou da ideia?
- Querida, eu quero ir a uma festa cheia de homens interessantes e bonitos. Não vou desfilar no meio de velhos gagás, de mão trêmula e bengala.
- É que tem uma coisa que não te contei ainda...
Sentamos na cama.
- O Zachary e eu fizemos uma besteira.
- Que besteira? - olhou-me de lado.
- Alguns amigos acham que nós somos namorados. Não dá para a gente sair por aí separados, entende?
- Vocês ainda vão ficar juntos!
- Que isso!
- Nessa, o fato é que hoje só vamos pensar em dançar muito. - ela bateu palmas.
Zachary avisou-nos que demoraria, pois precisava terminar um trabalho. Fomos, assim, na frente para depois nos encontrarmos lá. Chamamos um táxi.
A festa estava muito animada e Ashley logo arrumou companhia. Extrovertida, conseguiu chamar a atenção dos meninos que sentaram-se em uma mesa com a gente.
Uma banda tocava em um palco. Havia uma linda decoração de flores de papel e enfeites, me senti em um baile dos anos 60. Mas eu me sentia sozinha no meio daquelas pessoas.
- Calma, bobinha, ele já vai chegar. - Ash sempre conseguia ler meus pensamentos. - Por falar nisso, olha ele ali... - apontou com o dedo da mão que segurava a taça e eu virei meu rosto para onde ela indicava.
Lá estava Zachary, procurando-me. Meu coração deu um salto. Eu abri um sorriso espontâneo, sem tentar fugir da alegria de encontrá-lo, mas Zachary escondeu o seu no canto da boca. Estava vestido com roupa de gala.
- Pede para ele me adotar também? - Ashley riu.
Afastei-me do grupo e caminhei em sua direção. Passei por entre as pessoas do meio da pista de dança. Zachary veio na outra direção ao meu encontro.
Olhamo-nos frente a frente.
Senti-me nervosa, nem parecia que vivíamos juntos.
- Te deixei muito tempo sozinha? - perguntou com aquela voz grave.
Aspirei seu perfume seco e achei que a fórmula daquela fragrância tinha algum agente alucinógeno, pois minhas reações se tornaram mais lentas.
- O suficiente para eu sentir falta. - confessei e abaixei a cabeça envergonhada pelo que tinha dito.
Zachary pegou a minha mão direita e girou-me em torno do eixo do meu corpo, supostamente para me contemplar em todos os ângulos. Ri, sentindo-me leve no ar, rodopiando sobre os saltos, no movimento de 360º. Ele trouxe-me para perto e encostamos nossos corpos.
Descansou a mão esquerda nas minhas costas. Levantei o rosto bem lentamente. Quando dei por mim, estávamos presos pelo olhar. Era isso que as mulheres procuravam em Zachary? Porque se fosse esse magnetismo, eu já me considerava inteiramente hipnotizada.
Vi imagens em flash na minha cabeça. Zachary me pegando no colo, depois de eu ter desmaiado em casa. Acordando na maca do hospital e ele ao meu lado. Eu toda molhada, em pé, à sua porta. Zachary me abraçando para eu não ter uma crise de hipotermia. Eu empurrando-o na chuva e ele me abraçando. Zachary com a mão ferida e eu fazendo seu curativo. E agora nós ali, dançando juntos, ao som da música lenta.
Eu, que estava com a cabeça apoiada em seu peito, afastei-a e ele segurou meu rosto com sua mão. Respirei fundo e meus seios pareciam não caber no vestido tomara que caia, movimentando-se pra cima e pra baixo.
Meus lábios se entreabriram automaticamente e os dele também, vermelhos e úmidos.
- Você por aqui? Disse que não vinha. - um homem deu um tapinha nas costas de Zachary.
Ele afastou-se de mim, quebrando a magia que nos envolvia como uma parede de vidro que se parte, arremessando os estilhaços pelo o ar.
Zachary cumprimentou o amigo e eu soltei sua mão.
Voltei para o grupo da Ashley à passos rápidos e firmes.
- Ash, preciso falar com você. - puxei-a pela mão para um canto.
- Que foi? - ela fez uma cara de preocupada.
- O que acontece, quando a gente sente um calor, um frio, um arrepio...?
- Ãnh? Quando se está apaixonada? - sorriu, se divertindo com a situação.
- ... - olhei para Zachary do outro lado do salão.
- Você está esperando o quê? - Ashley levantou as sobrancelhas.
- Mas eu sou tão pouco pra ele... - encolhi os ombros.
- E quem disse que seu coração tem idade? - perguntou-me.
- Ele iria se interessar por...mim?
- Nessa, ele saiu de casa para vir aqui não deixar ninguém se aproximar de
você.
- Não sei... - suspirei insegura e mordi meu lábio inferior.
____________________________________________
Oiiiiiiii :D
Que capítulo hein!?
Droga!! Sempre tem alguém pra atrapalhar a melhor parte neh!?
Concordo com a Ash :D :D
Comentem ai!!
Obrigada pelos comentários
E até mais girls!!

3 comentários:

  1. A Ashley tem sempre razão!
    Ah, esse gif! Não consegui me conter, tive que fazer o comentário.
    Posta logo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. sorry não ter comentado antes
    mas então,nem preciso dizer que amei o capítulo né?!
    ♥♥♥
    simplesmente perfeito

    ResponderExcluir