quinta-feira, 19 de março de 2015

Em apuros (Zachary)

Eu tinha esperado tanto tempo para sentir a felicidade outra vez. E agora,
era com uma intensidade maior. Sorri, olhando de tão perto a menina de meus sonhos constantes nos últimos 6 meses.
- Eu tenho uma coisa para te mostrar. - falei-lhe.
- O quê? - seus olhos brilharam.
- Assim não será surpresa! - ri e levei-a comigo.
Vanessa entrelaçou sua mão na minha. Paramos diante da gruta que eu havia achado de manhã.
- Olha o milagre da natureza. - mostrei-lhe, assim que entramos na galeria de pedra, o lindo lago azul de água cristalina e fundo branco. A luz entrava por fendas no teto e iluminava o lugar com fachos prateados.
- Meu Deus! - ela levou as duas mãos a boca e ficou abismada. - É... Incrível! - precipitou-se, soltando minha mão.
- Eu sabia que esse lugar... - abracei Vanessa por trás com carinho. -... iria ficar ainda mais lindo com a sua presença.
Ela sorriu e virou o rosto para o lado.
- Podemos entrar? - perguntou.
- Na água?!
- É. Vem... - puxou-me o braço.
- Você é um peixe, hein, garota! - ri e tirei a bermuda.
- E você um sapo!
- Ah, é?! - corri atrás dela e fizemos ondas na água.
Vanessa mergulhou na região mais funda e apareceu depois na superfície aos risos.
- Quer dizer... - puxei-a e ficamos em um lugar onde a água batia na nossa cintura. - ... que eu sou um sapo?
- É, mas não é o dia todo...
- A não?! - abracei-a e ela envolveu meu pescoço.
- Não... porque, à noite, você vira um príncipe.
- ... - levantei as sobrancelhas e não disse nada para não atrapalhar sua imaginação.
- E aí você usa aquela roupa de gala... - Vanessa contornou minha sobrancelha com a ponta do indicador. Depois olhou-me contemplativa. -... e tem até espada, sabia? Um liiiiindo, príncipe.
- E quando eu viro sapo?
- Quando... - ela abaixou o rosto e não quis me olhar ao confessar aquilo. -... eu descubro que você não é para mim. E vejo você com outra.
- Nessa.
- Zac, desculpe, eu não quero estragar esse momento lindo, esse lugar lindo...
- Nessa.
- Eu sei que você não vai querer... - seus olhos estavam lacrimejando.
- Nessa, isso é real. - beijei-lhe.
Encostei-a junto à rocha e senti uma verdadeira combustão em todo o meu corpo. Minhas mãos queriam sentir a delicadeza da sua pele. Deixei-a absolutamente sem ar.
- Zac... - ela segurou meu rosto e me olhou com medo.
- ...
- Você sente o que por mim? - perguntou.
- O suficiente para enfrentar o que vier. E você?
- Eu... já estou enfrentando a algum tempo. Desde que descobri isso dentro de mim.
- Isso o quê? - perguntei.
- Não sei, eu sinto sua falta. Eu tenho raiva de você quando olha para outra garota. Mas também te adoro, quando cuida de mim, aí mistura tudo... aaii, não sei explicar.
- Não precisa dizer mais nada. Você já explicou o que eu precisava saber. - sorri.
- E você? - perguntou.
- Eu?
- É, sapinho. - riu.
- Não era príncipe?
- Zac, o que eu faço com seu coração?
- Mais do que qualquer uma já fez.
- Mais até quanto?
- Nessa, eu não sou bom com as palavras, eu prefiro mostrar. Me deixe te mostrar...
- E ela?
- Não tem mais ela. - respondi. Sami não representava nada para mim em comparação com Vanessa.
- Não? - Nessa ainda duvidou.
-  Só você agora. E você? - perguntei.
- Só você também.
Rimos e encostamos nossas testas uma na outra. Beijei-a no rosto todo e no pescoço.
- Eu estou faminta!
- Bom, se eu sou um sapo, só vou poder te trazer umas moscas do brejo.
- Não, você é meu príncipe e, por isso, vai preparar uma comidinha para mim.
- Ah! Mas, o nome disso é escravo! - vesti minha bermuda.
Vanessa ofereceu sua mão quando saímos da gruta. Aquele era um sinal simbólico de que agora, para o mundo, assumiríamos aquela quebra dos padrões.
Agora podem entender, leitores, o que quis dizer quando comecei a contar minha história. Vanessa era a flor que nunca tive em casa porque flores precisam ser amadas. Elas murcham sem explicação e necessitam de água em uma precisão saudável. Eu era tudo, menos preparado para ter uma flor.
Ela, no entanto, apareceu-me como uma encomenda dada por um entregador que não quer muito assunto, estende a mão e oferece o embrulho. Eu ia aprender a cuidar daquela menina e não lhe deixaria nada de mal acontecer. Não queria nem imaginar o que seria perdê-la.
Não suportaria. Seria seu guardião.
Entrelacei os meus dedos entre os seus e caminhamos até as barracas. Já anoitecia e, quando chegamos, estava escuro.
- Onde se meteram? - Ashley perguntou preocupada.
- A gente foi explorar melhor o lugar. - Vanessa respondeu rapidamente.
- Hum.
Eu caminhei até a minha barraca para buscar a sacola de comida e deixei Vanessa conversando com a amiga. Mulheres, elas sempre dividem tudo.
- Zachary!!? - ouvi um grito de Vanessa.
Meu coração quase parou, aquilo representava perigo.
- Me solta! - Vanessa gritou mais uma vez quando eu já saia da barraca.
- Paradinha! - um rapaz jovem impunha um revólver contra a cabeça de Vanessa. Ele tinha o braço em volta do seu pescoço.
- Zac... - Vanessa quase não conseguia falar quando chamou por mim.
- Cala a boca senão eu vou estourar seus miolos! - ele gritou.
Engoli em seco e olhei nos olhos de Vanessa.
____________________________________________
Olá girls :D
Ai que momento lindooo esse deles juntinhos neh!? ♥♥♥
Opa!! Ai deus, o Zac tem que bolar um plano pra salvar a 
Vanessa!!! Tomara que dê tudo certo neh!?
Comentem ai!!
Obrigada pelos comentários
E até mais girls!!

2 comentários:

  1. tem noção do estrego que fez em mim????
    tô morrendo aqui com tanta fofura dos dois *-*
    ai meu deus,o Zac agora tem que bancar o herói e salvar a V
    que lindos ♥♥♥
    posta mais hoje,please

    ResponderExcluir
  2. *-*
    apaixonada!! hahaha
    os dois estão muitos lindos!
    ele agora tem que ser o heroi e salvar ela!!
    posta mais!!
    Beijos!

    ResponderExcluir